domingo, 11 de dezembro de 2011

Natureza Off-Road: Bem-vindos a Visconde de Mauá

E aí galera!!

Saímos da cinzenta e cheia de edifícios São Paulo para um destino verde e cheio de Natureza. Situado na divisa entre Rio de Janeiro e Minas Gerais, a região de Visconde de Mauá é um prato cheio pra quem curte se isolar da correria do dia-a-dia e aproveitar um cenário bordado de matas, montanhas e cachoeiras. Quer relaxar e se isolar do mundo por uns dias? Vem pra cá.

Diferente do que muita gente pensa, Visconde de Mauá não é uma cidade. Oficialmente, Visconde de Mauá é um distrito do município de Resende, o que na prática representa a região formada por três vilas: Mauá, Maringá (que tem parte no RJ e parte em MG) e Maromba. A região, além de isolada, é bastante montanhosa e proporcionam uma série de cachoeiras para seus visitantes, principalmente as formadas nos vales de Alcantilado, do Pavão e das Cruzes. Segue um pequeno mapa da região.

Mapa Esquemático da Região. Clique para ampliar.

O clima, como esperado, é um pouco frio. Dificilmente a temperatura máxima ultrapassa os 28ºC no ano e pode chegar a valores negativos, dependendo da época. Então fica a primeira dica: confira nos sites de meteorologia como estão as temperaturas para saber o que levar na mala. Frio, de noite, com certeza você vai pegar. De dia, depende da época.

Chegar em Visconde de Mauá já foi uma aventura maior. O trecho da RJ-163 que passa por Penedo para chegar em Visconde de Mauá até pouco tempo não era asfaltada. Quando chovia, o lamaçal se formava e vários carros acabavam atolando no meio do caminho, tornando a viagem do pessoal uma dor de cabeça antes mesmo de chegar. Porém, em 2010, começaram as obras de asfaltamento da rodovia até a chegada na Vila de Mauá. Quando fomos pra lá, já pegamos esse trecho pronto e foi tranquilo de chegar. Agora, a partir de Mauá, tomem bastante cuidado: não há asfalto e um pouquinho de espírito aventureiro para chegar na sua pousada ou nos restaurantes das três vilas será necessário em caso de chuvas, mas nada muito perigoso.

Trecho já asfaltado da rodovia, até Mauá. A partir daqui, a moleza acaba...

Mais uma dica então: calibrem os pneus do seu carro antes de chegar, pois é importante pra evitar atolamentos. Outra dica: ande com seu carro somente nos trechos entre as vilas. Não se arrisque de chegar nas cachoeiras e vales com seu carro, a não ser que seja um carro preparado pra isso (4x4) e que você saiba dirigir em estradas em condições de rally. Quando chove, é MUITO barro. Nós acabamos fechando pacotes com uma empresa (mais pra frente vamos mostrar qual) que tinham carros e guias especializados. Pois no primeiro dia de viagem, já fomos surpreendidos com a quantidade de barro e buracos na estrada. Ou seja, o carro ficou completamente cheio de lama. E a partir daí, preferimos fechar os passeios com a empresa.

Nosso carro foi guerreiro, mas não abusamos dele hehehe...

Ficamos 4 dias em Visconde de Mauá, sendo que o último aproveitamos para dar um pulo em Penedo e passar o dia por lá. Nos próximos posts, falaremos e daremos dicas de passeios e restaurantes que fomos lá. Tem muito mais do que Natureza pra se ver em Visconde de Mauá!

Partiu!