sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Buenos Aires: que dinheiro levar?

E ai galera!

Esse post tem como objetivo ajudar a responder aquela pergunta que sempre surge quando alguém vai pra Argentina: que dinheiro levar? Devo trocar reais por pesos? Ou vale mais a pena dólares? Ou não devo trocar? Essas, como a maioria das perguntas de todo Universo, tem como resposta: depende! Vamos explicar como funcionam as coisas na capital hermana.



 As notas de peso argentino em uso atualmente (Fonte: Currency Wiki)

A moeda nacional é o peso argentino. Quando viajamos (dezembro de 2013), ele valia, oficialmente, algo em torno de R$2,50. Em outras palavras, dá para trabalhar bem com a relação: A$10 = R$4. O país vive uma crise econômica já faz alguns anos, com um grande enfraquecimento da moeda nacional, fazendo com que seja de interesse de todos os argentinos fazer poupança com uma moeda estrangeira, mais forte. Entretanto, o governo tem limitado o câmbio para os locais, de modo a manter o peso argentino circulando. Foi nesse cenário que, além do câmbio oficial, surgiu um câmbio paralelo no país.

Dica: pra quem usa seu smartphone como companheiro de viagem, recomendo o aplicativo Currency, que dá cotações oficiais de moedas do mundo todo e facilita na hora das compras. O app é free!

 Currency para iOS: muito útil pros viajantes!

O câmbio paralelo (também chamado de negro, por ser considerado ilegal apesar de acontecer abertamente, na cara de todo mundo) oferece pesos a preços bem mais atrativos do que as casas de câmbio oficiais. Apesar de parecer sempre um bom negócio, é preciso estar atento: a quantidade de notas falsas de pesos argentinos que são trocadas e acabam nas mãos dos turistas é enorme. Como encontrar o pessoal que faz esse câmbio? Praticamente qualquer lugar que tenha concentração de turistas, principalmente na Calle Florida, tem aos montes, eles te acharão. Tome cuidados básicos: evite negociar sozinho, observe atentamente eles contarem o dinheiro, confira depois e evite grandes quantias – as notas de A$100 são o principal alvo dos falsificadores. O blog Diário deun Brasileño en Buenos Aires tem um post ótimo com as dicas para identificar as notas falsas.

 Calle Florida: você será aborado pelo câmbio paralelo.

Chegando no aeroporto de Ezeiza, próximo da área de check-in da GOL, existe um posto do Banco de la Nación, que até faz o câmbio numa boa taxa em comparação com outras casas de câmbio oficiais que encontramos ao longo da viagem. Trocamos a maioria dos reais por pesos ali mesmo, por segurança, mesmo pagando um pouco mais. Lá, eles te dão um folheto ensinando como identificar notas falsas. Se interessar, pegue sua mala nas esteiras e vá correndo pra lá: o atendimento é lento e a fila enorme - principalmente quando chega voo do Brasil.

Para os brasileiros, ainda há a opção de sacar pesos argentinos diretamente de caixas eletrônicos do Itaú e Santander. Seria uma boa opção, se o governo brasileiro não resolvesse dar uma facada (mais uma) na gente e aumentar o IOF para cerca de 6%.

Diversos estabelecimentos comerciais, desde táxis até lojas em shoppings e passeios turísticos, aceitam reais e dólares. Entretanto, em todos eles, o troco é dado em pesos argentinos - a taxa varia de local pra local. Então evite usar notas altas de reais e dólares quando houver troco alto, senão você vai se entupir de pesos argentinos e ninguém quer voltar pra casa cheio de dinheiro que vale menos da metade do nosso já combalido real, né? Algumas lojas oferecem cotações muito atrativas (chegamos a ir numa loja onde o dólar valia A$10), então é sempre bom perguntar. Acaba sendo melhor que a oficial e mais segura que o paralelo.

Nesse cenário todo, o que concluímos foi:
  • Só leve dólares se você já os tiver em casa;
  • O câmbio paralelo/negro vale mais a pena do que do oficial;
  • Por outro lado, o risco de pegar notas falsas é maior;
  • Algumas lojas oferecem boas cotações, pergunte sempre!
  • Evite usar o cartão de crédito: o IOF de 6% faz diferença.
Essas foram nossas impressões sobre esse assunto tão discutido por quem pretende viajar para Buenos Aires. No próximo post, vamos abordar outro tema muito falado e que com certeza você vai utilizar na cidade: os táxis. Fiquem ligados!

Partiu!