quinta-feira, 6 de março de 2014

Buenos Aires: Monumental de Nuñez

E aí galera!

Em nosso último post, vimos um pouco sobre a paixão que pinta metade de Buenos Aires de azul e amarelo (ou a metade e mais um, como os próprios torcedores do Boca Juniors se dizem). Hoje vamos conhecer o outro lado da moeda futebolística da cidade. De fato, a capital argentina possui vários outros times de futebol considerados grandes, como o San Lorenzo e o Vélez Sarsfield, mas nenhum outro rivaliza tanto com os xeneizes quanto o Club Atlético River Plate.

 Monumental de Nuñez, a casa do River Plate

O clube fundado em 1901 é conhecido como Los millionarios, desde uma contratação milionária de um jogador na década de 30, além do fato de sua sede e seu estádio, o Estádio Monumental Antonio Vespucio Liberti, ficarem no bairro nobre de Belgrano (e não no bairro de Nuñez, como sugere o apelido do estádio: Monumental de Nuñez). É o maior estádio da Argentina – pouco mais de 60 mil lugares – e onde a seleção local costuma mandar seus jogos. Eu não poderia me dizer conhecedor da rivalidade Boca-River sem conhecer o lado vermelho e branco da história, o que fizemos no Museo River.

Museo River: lindo por fora e por dentro

O Museu River possui três tipos de passeios, com preços diferentes para turistas, argentinos e sócios do clube. Para nós, a visita simples ao Museu sai por A$50; a visita express sai por A$55 e a visita com direito a tour pelo estádio (chegando até a beirada do gramado) custa A$60. Claro que fizemos a última, mas atenção aqui: os tours saem de hora em hora, das 11h-17h. O tour começa te convidando a uma viagem numa máquina do tempo, onde voltamos para a data de fundação do River e entendemos um pouco como se formou esse gigante do futebol argentino. Década por década, vimos o desenvolvimento do clube e o cenário no país, passando por seus principais títulos e jogadores, como Alfredo Di Stéfano, Daniel Passarella, Mario Kempes, Enzo Francescoli, Ariel Ortega, entre tantos outros. O túnel do tempo termina com os principais troféus do clube, com destaque para as Libertadores de 86 e 96 e o Mundial em 86. Há também uma enorme maquete do Monumental e uma vasta coleção de camisas antigas, sensacional.

O túnel do tempo...

...que termina com as maiores conquistas dos Millionarios!

Maquete enorme do Monumental

Hall em homenagem aos artilheiros do clube

Uma pequena parte da enorme coleção de camisas do Museu

A visita no Museu do maior campeão nacional da Argentina continua com a tão esperada visita ao Monumental de Nuñez. Começamos nos sentando na arquibancada, onde a guia conta a história do estádio, a confusão entre os bairros Belgrano e Nuñez, enfim, um monte de curiosidades que os amantes do futebol vão adorar. Seguimos para o vestiário para, finalmente, adentrar o campo de jogo. A proibição de pisar no gramado só nos atiçou ainda mais, mas nos comportamos e tiramos muitas fotos. O estádio é lindo, enorme, o nome diz tudo: Monumental. Não me espanta o fato da Argentina dificilmente perder seus jogos quando joga com casa cheia por lá.


Banco de reservas

Chegando no limite permitido, a vontade era pisar no gramado...

Mostrando talento

Torcida do River dando show no Monumental

Como qualquer Museu, a visita termina com uma visita na enorme loja de produtos oficiais do River Plate, já de volta à entrada do Museu. Os preços das camisas oficiais, pra minha surpresa, são caríssimos, não só lá mas em toda Buenos Aires. Ficamos só na vontade.

Maneiríssima a loja do River, mas os preço$...

Muito se fala do Museu de La Passión Boquense e de La Bombonera, mas achei o Museu River bem mais bonito, informativo e organizado, tornando a visita bastante agradável. O Museu River funciona todos os dias, das 10h-19h, exceto em dia de jogos no estádio.




No próximo post, um destino delicioso e cheio de charme em Buenos Aires.

Partiu!