sábado, 8 de outubro de 2011

Campos do Jordão: a Suíça no Brasil

E aí galera!!

Vamos começar a falar de uma cidade do interior paulista muito agradável em que o contato com a natureza é uma constante. Na cabeça da gente, vem logo uma cidade mais rural, com fazendas, calor e muito verde. O verde é um fato, mas Campos do Jordão não tem nada de rural. Com a característica arquitetura alemã e recheada de flores por todos os lados, visitar Campos do Jordão te dá a impressão de que você está no sul do país ou ainda em algum pequeno vilarejo da Europa, graças ao friozinho típico da Serra da Mantiqueira, onde a cidade é situada. Nesse post, vamos dar uma geral sobre a cidade antes de darmos detalhes do nosso final de semana por lá.

Campos do Jordão é o mais alto município do Brasil, a 1628 metros de altitude (altura da sede da cidade). A cidade não possui aeroporto – o mais próximo é o de São José dos Campos. De lá, a viagem de carro passando por Taubaté dura pouco mais de uma hora, contando a lenta subida da serra, que pode ser mais retardada ainda no caso de neblina. Apelidada de “Suíça Brasileira”, recebe a maioria de seus visitantes durante o inverno, no mês de Julho, justamente o mês em que visitamos a cidade. A temperatura média no inverno é em torno de 15º então não poupe casacos, cachecóis e meias bem grossas na sua bagagem – pela noite o frio não é brincadeira! Quando fomos, o dia estava bem aberto e era possível andar pela cidade de camisa e calça jeans. Mas por volta das 17h, o tempo esfria MESMO e uma ida pro hotel pra trocar de roupa é muito bem-vinda.

Dentre as várias atrações da cidade, as mais conhecidas são:
Vila Capivari: é o bairro mais nobre de Campos do Jordão, e onde tudo acontece. Restaurantes, lojas, o bar da Baden Baden, enfim, é onde fica o agito da cidade. Aconselhamos se hospedarem por perto, para evitar locomoção por carro – são poucas vagas nas ruas;
Festival da Viola: ocorre em setembro anualmente, e é um festival que visa descobrir novos valores e preservar a música sertaneja. Pra quem curte, é uma boa. O festival é bem conhecido em São Paulo;
• Fábrica e a loja/bar da Baden Baden: a cerveja é uma marca registrada da cidade. A visitação na fábrica é uma atração bem concorrida e a visitinha na loja/bar no Centro é um programa obrigatório pra quem visita a cidade. No próximo post, daremos mais detalhes;
Palácio Boavista: conta com um vasto acervo do período colonial, em mais uma bela construção na cidade;
Museu Casa da Xilogravura: calma galera, eu também não sabia o que era! Se trata de uma técnica de gravura na qual se utiliza madeira como matriz e possibilita a reprodução da imagem gravada sobre papel ou outro suporte adequado. Foi bem recomendado;
Museu do Chocolate: o nome já diz tudo! Heheheh...
Ducha de Prata: um dos pontos turísticos mais tradicionais da cidade, se trata de uma queda d’água com várias trilhas e pontes para os turistas passearem e curtirem a natureza.

Há também vários pequenos mirantes de onde se pode tirar fotos panorâmicas incríveis da cidade. O passeio a pé pela Vila Capivari é muito agradável e pode-se fazer algumas compras, principalmente de roupas de inverno. Em tempo: não é uma cidade barata. A gastronomia é muito rica, incluindo restaurantes alemães, italianos, franceses e vários de fondue, conforme o clima frio pede! Há também o passeio de trenzinho pela cidade, que é bem concorrido.

Por enquanto é só. No próximo post vamos falar da nossa chegada, qual o melhor ponto pra procurar hotel e o que fizemos no nosso primeiro dia na Suíça Brasileira: Campos do Jordão!

Partiu!