quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Buenos Aires: La Boca e Caminito

E aí galera!

Muitas cidades grandes pelo mundo possuem aquele bairro tradicional, mais popular, que ao invés de ser deixado de lado acaba sendo revitalizado e acaba virando ponto turístico. Pode-se citar, pensando rápido, Santa Teresa, no Rio de Janeiro, e o Pelourinho, em Salvador. Quando se pensa num bairro desse tipo em Buenos Aires, o nome certo no seu roteiro é La Boca.

 As cores já dizem tudo: chegamos a La Boca!

Buenos Aires, como muitas cidades brasileiras, foram colonizadas a partir de seus portos. Os imigrantes, principalmente italianos, com mais dinheiro foram buscando locais mais tranquilos da cidade enquanto o povo com menos condições acabava vivendo próximo à zona portuária, onde trabalhavam. Aliás, o nome La Boca vem justamente por ficar no local onde o Rio Riachuelo desembocava no Rio de La Plata. A principal característica do bairro são as coloridas casas (os conventillos), que possuem essa característica pelo fato de que, antigamente, eram pintadas com sobras das tintas que pintavam os navios – que nem sempre davam pra pintar a casa toda com uma cor só. Apesar de ser um local bem simples, existem pelo menos duas atrações imperdíveis pra quem visita à capital argentina.

Sendo recebido em La Boca por Dieguito, Evita e Gardel...

Chegando em Caminito

O Caminito (nome em homenagem a uma popular música de tango argentino) é um destino certo em seu roteiro. A rua, que antigamente abrigava uma velha linha ferroviária, acabou abandonada depois da desativação da mesma. Na década de 1950, moradores resolveram revitalizar o local, que acabou se tornando um point para os artistas (cheios de influências italianas) da época venderem suas obras. Com o passar do tempo e o interesse dos turistas no local crescendo, diversas lojas de roupas populares, bares e restaurantes foram abrindo e tornou o Caminito um dos principais pontos turísticos da cidade.

Uma das várias galerias com artes locais

O Centro de Exposições de Caminito – com Diego Maradona, Evita Perón e Carlos Gardel nos recebendo na varanda – a famosa Havanna do Caminito, as infinitas lojinhas com camisas de futebol (todas fake, mas e daí?), as menções sobre tango em cada detalhe... Tudo em La Boca é cheio de cores, de gente e de arte. Por ser um pedacinho de Buenos Aires bem diferente de todo resto, aconselhamos demais que você reserve um espacinho no seu roteiro para conhecer o bairro – uma manhã ou uma tarde são suficientes.

Não é a toa que Maradona é chamado de D10S por lá: só dá ele!

As principais cores de La Boca são o azul e amarelo, as cores do Boca Juniors, principal clube de futebol da Argentina, que ostenta seu lendário estádio La Bombonera no bairro, a poucos metros de Caminito. Esse é a segunda grande atração de La Boca, mas será assunto para um outro post...

As lojinhas em Caminito tem de tudo!

Apesar de ser um bairro mais pobre em relação a outros mais famosos, como Recoleta e Palermo, La Boca é bem segura durante o dia. Os cuidados são os básicos: evite deixar bolsas à mostra, abrir carteira, atenção em lugares mais cheios, enfim, coisas que você faria em qualquer lugar do Brasil. Não aconselhamos (na verdade, nunca vi ninguém dizer o contrário) visitar La Boca pela noite.

Chegar em La Boca, só de taxi ou ônibus – não há estação de metrô por lá. Aconselhamos sempre o taxi, pelos motivos expostos no post sobre o transporte.


Exibir mapa ampliado

No próximo post, ainda em La Boca, vamos conhecer onde pulsa uma paixão azul e amarela, conhecida em todo mundo.
Partiu!